Welcome, Guest. Please login or register.

Author Topic: Carta para a avó materna de Sean Goldman  (Read 3716 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Offline Roberta Palermo

  • Sr. Member
  • ****
  • Posts: 356
    • http://www.robertapalermo.com.br
Carta para a avó materna de Sean Goldman
« on: December 23, 2009, 12:12:22 PM »
Prezada Silvana Bianchi, sou brasileira, tenho 40 anos de idade e trabalho muito também. Ao lado do meu marido crio o meu filho Pedro de 7 anos, ensinando-o que filho não é propriedade da mãe. Aprendi isso com a minha mãe, pois ela nunca me afastou do meu pai após se separar dele quando eu ainda tinha 3 anos. Ela também tinha muitas mágoas de uma relação desgastada.
Meu pai faleceu de câncer há 16 anos atrás. Ele fumou muito ao longo de seus 65 anos e o tumor atingiu laringe, faringe traquéia e cordas vocais. Foi muito triste perdê-lo também, mas tive a grande sorte de conviver com ele ao longo de meus 23 anos. Foi com o meu pai que aprendi a gostar tanto de trabalhar, a ser feliz e ver a felicidade em tudo, mesmo nas horas chatas que aparecem nas nossas vidas. Ele me ensinou a andar de bicicleta, eu brincava de casinha nas prateleiras de papel de sua empresa. Foram muitos finais de semana e ferias divertidas com muito sorvete e chocolate. Quando eu voltava para a casa da minha mãe ela demorava meses para desencardir o meu joelho, desembaraçar os nós do meu cabelo e eu tomava vitamina para recuperar o peso. Para a minha mãe, o mais importante era eu ter um pai presente.
Se eu falecer, certamente quem vai terminar de criar o meu filho é o meu marido, quem eu escolhi para ser pai de meu filho. Escolhi com muito critério, pois não podemos achar depois que o pai não tem condições de criar o nosso filho. Certamente o seu marido foi privilegiado por não ser desvalidado como pai, assim como você faz com todos os pais do Brasil em sua carta ao presidente.
Uma criança de 9 anos não tem maturidade para fazer escolhas na vida. Aos 4 anos ele também não pode escolher ficar com o pai. Ou sua filha o consultou? É tão óbvia a alienação parental realizada em seu neto que fica claro que não será permitido que ele fale o óbvio: que não quer ir embora. Certamente ele falaria o mesmo quando a sua filha o trouxe dos Estados Unidos se lhe perguntassem se ele gostaria de nunca mais ver o papai. Por que agora você acha que opinião dele importante? Porque você é mais importante do que o pai? Você não é.
Você não orientou a sua filha a seguir as leis. A apoiou a abandonar o marido que não a fazia feliz, a ficar no Brasil, pedir o divórcio, a guarda de Sean e após sua morte apoiou o padrasto a ter a guarda provisoria. Tudo sempre pensando só em si. Em ter a sua filha, o seu neto, tudo para você. Enquanto o pai, para você, não tem valor algum para o desenvolvimento de um filho. Avós não estão acima da lei. Avós não têm mais direitos do que o pai e a mãe. Nunca! Você já teve a oportunidade de criar os seus filhos. Agora é a vez desse pai criar o filho dele. Você está invadindo um espaço que não lhe pertence.
Lamento muito que a sua vida seja recheada de perdas, mas não menospreze a perda do pai de seu neto. Você não tem o direito de achar que um pai pode ser excluido dessa maneira da vida de uma criança.
 
Roberta Palermo
Terapeuta Familiar
http://www.robertapalermo.com.br
Roberta Palermo

Offline MCD

  • Sr. Member
  • ****
  • Posts: 304
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #1 on: December 23, 2009, 12:22:37 PM »
Parabens pela carta. Nao consigo imaginar como os advogados de D. Silvana a deixaram publicar aquela carta. Pai eh pai, por pior que seja (tirando abuso, OK). Amor de vo e bom, mas nao e a mesma coisa. Estou tao aliviada que esse caso esteja chegando ao fim. So espero que o bom senso de todos os envolvidos priorizem o bem estar de Sean. Ele e uma crianca com duas patrias e duas familias, como os meus filhos, ele precisa das duas.

Offline Stoopherzz

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 30
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #2 on: December 23, 2009, 12:45:21 PM »
que rediculo ela escrever uma coisa dessa. e logico que o menino ia dizer que ele quer ficar no Brasil! Por causa da irresponsabilidade do padrasto rediculo dele e a avo, ele foi criado no Brasil. Mais o menino so nao lembra do pai. ele nao sabe como que o pai verdadeiro dele ama ele. a irmasinha dele nao vai ser afetada pela essa decisao. a menina so tem 1 ANO! essa mulher no tem vergonha na cara nao????????

Offline ProudDaddy

  • Sr. Member
  • ****
  • Posts: 258
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #3 on: December 23, 2009, 01:05:28 PM »
Quote from: Stoopherzz;57359
que rediculo ela escrever uma coisa dessa. e logico que o menino ia dizer que ele quer ficar no Brasil! Por causa da irresponsabilidade do padrasto rediculo dele e a avo, ele foi criado no Brasil. Mais o menino so nao lembra do pai. ele nao sabe como que o pai verdadeiro dele ama ele. a irmasinha dele nao vai ser afetada pela essa decisao. a menina so tem 1 ANO! essa mulher no tem vergonha na cara nao????????
Discordo, a irmã vai ser afetada sim. Ela vai perder a convivência com o irmão. Até parece que ela não tem nenhum direito ao irmão apenas por ser um bebê.

Offline Stoopherzz

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 30
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #4 on: December 23, 2009, 01:33:53 PM »
Quote from: ProudDaddy;57432
Discordo, a irmã vai ser afetada sim. Ela vai perder a convivência com o irmão. Até parece que ela não tem nenhum direito ao irmão apenas por ser um bebê.
[/SIZE]

ela nunca ia ter convivido com o irmao se a mae dele nao tinha feito esse crime. Nao foi a culpa dessa menina que ela tava convivendo com o meio-irmao cuando ela nunca deveria. O certo nessa familia deveria ser que os dois devem conviver como qualquer otra familia nessa posisao. Os dois tenhao o direito de visitar uns aos otros. A menina fica com o pai dela, e o Sean com o pai dele.

Offline Celita

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 210
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #5 on: December 23, 2009, 09:52:52 PM »
Ela e' meia irma e tem menos de dois anos. Pior foi o Sean , com quatro anos, separado do pai que o adorava e ele tambem, perguntar pelo Dad e eles fizeram lavagem cerebral nele.
SAIBA DE UMA COISA : MUITAS COISAS VAI SE DESCOBRIR DEPOIS QUE SEAN VIER PARA CA, O LAR DELE. CABE UMA ACAO DE DANOS MORAIS E ETC , PRISAO PARA O PADRASTO , E OS AVOS. CADEIA E MAIS RESSARCIMENTO TOTAL.

Offline Stoopherzz

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 30
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #6 on: December 24, 2009, 12:34:55 AM »
(...) aquela avo dele precissa de ajuda...
« Last Edit: January 02, 2010, 01:36:02 PM by Mom25 »

Offline JuliRosi

  • Veteran Member
  • *****
  • Posts: 622
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #7 on: December 24, 2009, 02:09:31 AM »
Quote from: ProudDaddy;57432
Discordo, a irmã vai ser afetada sim. Ela vai perder a convivência com o irmão. Até parece que ela não tem nenhum direito ao irmão apenas por ser um bebê.

É né, mais afastar o Sean do pai pode? A meia-irmã do Sean não é mais importante do que o pai que cuidava dele e foi afastado! Te mais, por que está chamando a Chiara de irmã? Ela é meia-irmã!

Offline Roberta Palermo

  • Sr. Member
  • ****
  • Posts: 356
    • http://www.robertapalermo.com.br
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #8 on: December 24, 2009, 03:25:14 AM »
Meu filho tem 2 meio irmãos, filhos do meu marido. A coisa mais linda desse mundo é ver o quanto se querem bem. Eu tenho uma meia irmã, do segundo casamento do meu pai. Perdi o contato com ela quando ela tinha 10 anos e eu 23, na ocasião do falecimento do meu pai. Para conviver com ela eu teria que conviver com a minha madrasta péssima, então escolhi ter paz! Pai e mãe estão acima de irmãos e avós. Muito bom quando dá para todos viverem em harmonia, mas se não der...cada macaco no seu galho.  Roberta Palermo

Offline malalves

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 38
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #9 on: December 24, 2009, 10:54:35 AM »
Excelente a sua carta, Roberta. Não sei como os advogados permitirm que ela escrevesse aquela absurda carta para o presidente e que saia por aí declarando que o "magistrados no Brasil cometem crimes hediondos". Ela ficou completamente descontrolada e hoje de manhã vimos mais um circo armado por este pessoal. Pararam o carro longe do consulado e vieram caminhando... Direto para as dezenas de fotógrafos que estavam desde ontem de noite na porta do consulado. Levaram o menino direto para o meio da confusão e depois aparecem reclamando do assédio sobre o menino... êta familiazinha danada!!!

Offline razabroski

  • Jr. Member
  • **
  • Posts: 14
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #10 on: December 24, 2009, 11:15:57 AM »
Quote from: Roberta Palermo;57272
Prezada Silvana Bianchi, sou brasileira, tenho 40 anos de idade e trabalho muito também. Ao lado do meu marido crio o meu filho Pedro de 7 anos, ensinando-o que filho não é propriedade da mãe. Aprendi isso com a minha mãe, pois ela nunca me afastou do meu pai após se separar dele quando eu ainda tinha 3 anos. Ela também tinha muitas mágoas de uma relação desgastada.
Meu pai faleceu de câncer há 16 anos atrás. Ele fumou muito ao longo de seus 65 anos e o tumor atingiu laringe, faringe traquéia e cordas vocais. Foi muito triste perdê-lo também, mas tive a grande sorte de conviver com ele ao longo de meus 23 anos. Foi com o meu pai que aprendi a gostar tanto de trabalhar, a ser feliz e ver a felicidade em tudo, mesmo nas horas chatas que aparecem nas nossas vidas. Ele me ensinou a andar de bicicleta, eu brincava de casinha nas prateleiras de papel de sua empresa. Foram muitos finais de semana e ferias divertidas com muito sorvete e chocolate. Quando eu voltava para a casa da minha mãe ela demorava meses para desencardir o meu joelho, desembaraçar os nós do meu cabelo e eu tomava vitamina para recuperar o peso. Para a minha mãe, o mais importante era eu ter um pai presente.
Se eu falecer, certamente quem vai terminar de criar o meu filho é o meu marido, quem eu escolhi para ser pai de meu filho. Escolhi com muito critério, pois não podemos achar depois que o pai não tem condições de criar o nosso filho. Certamente o seu marido foi privilegiado por não ser desvalidado como pai, assim como você faz com todos os pais do Brasil em sua carta ao presidente.
Uma criança de 9 anos não tem maturidade para fazer escolhas na vida. Aos 4 anos ele também não pode escolher ficar com o pai. Ou sua filha o consultou? É tão óbvia a alienação parental realizada em seu neto que fica claro que não será permitido que ele fale o óbvio: que não quer ir embora. Certamente ele falaria o mesmo quando a sua filha o trouxe dos Estados Unidos se lhe perguntassem se ele gostaria de nunca mais ver o papai. Por que agora você acha que opinião dele importante? Porque você é mais importante do que o pai? Você não é.
Você não orientou a sua filha a seguir as leis. A apoiou a abandonar o marido que não a fazia feliz, a ficar no Brasil, pedir o divórcio, a guarda de Sean e após sua morte apoiou o padrasto a ter a guarda provisoria. Tudo sempre pensando só em si. Em ter a sua filha, o seu neto, tudo para você. Enquanto o pai, para você, não tem valor algum para o desenvolvimento de um filho. Avós não estão acima da lei. Avós não têm mais direitos do que o pai e a mãe. Nunca! Você já teve a oportunidade de criar os seus filhos. Agora é a vez desse pai criar o filho dele. Você está invadindo um espaço que não lhe pertence.
Lamento muito que a sua vida seja recheada de perdas, mas não menospreze a perda do pai de seu neto. Você não tem o direito de achar que um pai pode ser excluido dessa maneira da vida de uma criança.
 
Roberta Palermo
Terapeuta Familiar
http://www.robertapalermo.com.br
Roberta Palermo


Bem tocante sua historia! Gostei muito!

Offline rbsantanna

  • Jr. Member
  • **
  • Posts: 13
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #11 on: December 24, 2009, 12:26:32 PM »
E o crime praticado de Sequestro ? Cadê a punição ?

Offline icv2010

  • New Member
  • *
  • Posts: 5
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #12 on: December 29, 2009, 07:36:52 PM »
Quote from: Roberta Palermo;57272
Prezada Silvana Bianchi, sou brasileira, tenho 40 anos de idade e trabalho muito também. Ao lado do meu marido crio o meu filho Pedro de 7 anos, ensinando-o que filho não é propriedade da mãe. Aprendi isso com a minha mãe, pois ela nunca me afastou do meu pai após se separar dele quando eu ainda tinha 3 anos. Ela também tinha muitas mágoas de uma relação desgastada.
Meu pai faleceu de câncer há 16 anos atrás. Ele fumou muito ao longo de seus 65 anos e o tumor atingiu laringe, faringe traquéia e cordas vocais. Foi muito triste perdê-lo também, mas tive a grande sorte de conviver com ele ao longo de meus 23 anos. Foi com o meu pai que aprendi a gostar tanto de trabalhar, a ser feliz e ver a felicidade em tudo, mesmo nas horas chatas que aparecem nas nossas vidas. Ele me ensinou a andar de bicicleta, eu brincava de casinha nas prateleiras de papel de sua empresa. Foram muitos finais de semana e ferias divertidas com muito sorvete e chocolate. Quando eu voltava para a casa da minha mãe ela demorava meses para desencardir o meu joelho, desembaraçar os nós do meu cabelo e eu tomava vitamina para recuperar o peso. Para a minha mãe, o mais importante era eu ter um pai presente.
Se eu falecer, certamente quem vai terminar de criar o meu filho é o meu marido, quem eu escolhi para ser pai de meu filho. Escolhi com muito critério, pois não podemos achar depois que o pai não tem condições de criar o nosso filho. Certamente o seu marido foi privilegiado por não ser desvalidado como pai, assim como você faz com todos os pais do Brasil em sua carta ao presidente.
Uma criança de 9 anos não tem maturidade para fazer escolhas na vida. Aos 4 anos ele também não pode escolher ficar com o pai. Ou sua filha o consultou? É tão óbvia a alienação parental realizada em seu neto que fica claro que não será permitido que ele fale o óbvio: que não quer ir embora. Certamente ele falaria o mesmo quando a sua filha o trouxe dos Estados Unidos se lhe perguntassem se ele gostaria de nunca mais ver o papai. Por que agora você acha que opinião dele importante? Porque você é mais importante do que o pai? Você não é.
Você não orientou a sua filha a seguir as leis. A apoiou a abandonar o marido que não a fazia feliz, a ficar no Brasil, pedir o divórcio, a guarda de Sean e após sua morte apoiou o padrasto a ter a guarda provisoria. Tudo sempre pensando só em si. Em ter a sua filha, o seu neto, tudo para você. Enquanto o pai, para você, não tem valor algum para o desenvolvimento de um filho. Avós não estão acima da lei. Avós não têm mais direitos do que o pai e a mãe. Nunca! Você já teve a oportunidade de criar os seus filhos. Agora é a vez desse pai criar o filho dele. Você está invadindo um espaço que não lhe pertence.
Lamento muito que a sua vida seja recheada de perdas, mas não menospreze a perda do pai de seu neto. Você não tem o direito de achar que um pai pode ser excluido dessa maneira da vida de uma criança.
 
Roberta Palermo
Terapeuta Familiar
www.robertapalermo.com.br
Roberta Palermo

Parabens!!! Acho que todos que acompanha o caso de Sean e David gostaria de falar o mesmo para essa Senhora. Pena que ela nao consegue ouvir!

Offline Celita

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 210
Re: Carta para a avó materna de Sean Goldman
« Reply #13 on: January 02, 2010, 11:55:30 AM »
Roberta concordo com voce sobre meio-irmaos, entretanto naquela familia e' dificil imaginar que a irmazinha que nasceu ano passado vai se lembrar. Com uma familia assim, vai ser dificil o dialogo, a paz e a amizade. Para haver amor e' necessario compreensaqo, respeito pelos direitos da outra parte e ninguem merece sofrer o que o David sofreu: foi desumano. A possibilidade de David confiar neles (como o Sean indo la se encontrar com eles)acho dificil. Esse pai perdeu cinco anos da sua vida de pai e relacionamento com o filho. Nao e' hora de falas na "familia brasileira" agora, mas na reconquista do filho, na reconquista do amor entre David e Sean. O resto pode vir talvez um dia. Muito cedo para pensar na irma num momento dramatico que ainda paira no ar.
Deus abencoe voce , Roberta.