Welcome, Guest. Please login or register.

Author Topic: Pai retoma guarda da filha nos EUA, em caso muito semelhante ao do menino Sean  (Read 1400 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Offline JuliRosi

  • Veteran Member
  • *****
  • Posts: 622
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/02/04/brasil,i=171217/PAI+RETOMA+GUARDA+DA+FILHA+NOS+EUA+EM+CASO+MUITO+SEMELHANTE+AO+DO+MENINO+SEAN.shtml

Pai retoma guarda da filha nos EUA, em caso muito semelhante ao do menino Sean
 
Criança estava em Nova York com a mãe, que não queria o retorno da menina ao Brasil
 

Danielle Santos

Publicação: 04/02/2010 08:36 Atualização: 04/02/2010 08:44

  
Rony Curvelo, com Jennifer: "Vou tomar as medidas necessárias"
A Justiça norte-americana decidiu ontem, em Nova York, o destino da filha de um casal brasileiro que disputava a guarda da criança desde dezembro do ano passado. Após mais de uma hora de atraso para o início da sessão, o juizado da 8ª Vara da Família de Nova York definiu que a menina Jennifer Curvelo, de 8 anos, de cidadania americana, voltará ao Brasil com o pai, o jornalista Rony Curvelo, nos próximos dias. A juíza responsável pelo caso recusou a ação de medida emergencial pedida pela mãe da menina, a modelo Maria Helena Viana, afirmando que não havia indícios de que a criança poderia correr algum tipo de perigo estando sob a guarda do pai.

“É uma mistura de sentimento bom, mas de preocupação. Quando chegar ao Brasil vou tomar as medidas necessárias para evitar que isso volte a se repetir”, afirmou o pai, aliviado com a decisão.

A ação movida por Maria Helena se baseou numa interpretação equivocada de um email, encaminhado pelo pai da menina por engano à ex-mulher. “Foi um equívoco e ela acabou se aproveitando. Na mensagem, que era para uma colega de trabalho, eu falava da possibilidade de viajar para o Haiti. Ela entendeu que eu iria morar lá e levar a minha filha”, justifica.

Curvelo já havia conseguido a custódia da criança em 2004, quando se separou da modelo. Desde então, a filha passou a morar com ele em São Paulo e visitava a mãe constantemente, segundo argumenta o pai. De acordo com o jornalista, a filha visitava a mãe duas vezes ao ano e o relacionamento dele com a ex-mulher sempre foi tranquilo. Como de costume, a menina foi levada a Nova York em dezembro de 2009. A volta ao Brasil estava prevista para o dia 28. Mas, ao aguardar a filha no saguão do aeroporto para levá-la de volta para casa, ele recebeu a notícia inesperada: “Fui surpreendido por um oficial de justiça que me aguardava com uma ação judicial dizendo que só veria minha filha após uma audiência para reaver a custódia dela. Senti um buraco se abrindo no chão a essa hora”, conta.


Saiba mais...
Pai americano quer US$ 500 mil na Justiça
Família brasileira diz que disputa pela guarda de Sean Goldman não terminou
Silvana Bianchi vai às lágrimas ao falar do neto e diz que pretende pedir ajuda do governo para poder visitá-lo nos EUA
Sean chega aos EUA com o pai
Advogado da família brasileira de Sean Goldman diz que não teve apoio do governo
Hillary fica feliz com reencontro de David Goldman com o filho
Sean embarca em voo particular para os Estados Unidos
Prazo para entregar Sean acaba às 9h
Gilmar Mendes cassa liminar e determina que Sean Goldman seja entregue ao pai O pai da menina disse que se sentiu humilhado e que a decisão só reforçava as decisões anteriores conseguidas por ele tanto na Justiça brasileira quanto na Justiça americana. Bastante emocionado e nervoso antes da decisão, ele temia que a disputa judicial se arrastasse como a do caso do menino americano Sean. O garoto norte-americano veio passar as férias no Brasil em 2004 com a mãe — a brasileira Bruna Bianchi — e não voltou mais. No fim do ano passado, o Supremo Tribunal Federal determinou que o garoto — que estava sob a custódia da família da mãe, que falecera — fosse entregue ao pai biológico, o americano David Goldman. O menino reencontrou o pai na véspera de Natal.

A reportagem do Correio tentou entrar em contato durante todo o dia de ontem com a advogada de defesa de Maria Helena e também encaminhou emails pedindo entrevista com a mãe da menina Jennifer, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição, às 22h30. Por telefone, a reportagem conversou com uma representante da 8ª Vara de Família de Nova York, que confirmou o julgamento da ação e a decisão favorável ao pai da criança.
« Last Edit: May 06, 2010, 08:19:58 AM by M.Capestro »