Welcome, Guest. Please login or register.

Author Topic: É importante esclarecer os motivos da separação.  (Read 1492 times)

0 Members and 1 Guest are viewing this topic.

Offline Sandra

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 191
É importante esclarecer os motivos da separação.
« on: April 16, 2009, 11:49:00 AM »
Hoje achei um texto no G1 interessante, que inclusive dá o exemplo do caso David Goldman, escrito por Ana Cássia Maturano - psicóloga e psicopedagoga , especializada em Problemas de Aprendizagem.
O que ela fala é o que comentei antes sobre a entrevista do Sean. Se as psicólogas sao altamente profissionais vao detectar que a conducao da separacao Bruna e David foi totalmente mau conduzida pelas pessoas que estao com ele no momento e a nao preocupacao deles pelo bem-estar do Sean.


um trecho:

Sem falar mal
   
     Quem ficar com a guarda dos pequenos deve ter em mente que os         filhos têm direito ao outro, tomando o cuidado de não despencar         neles os sentimentos negativos que nutre pelo ex-cônjuge.         Ninguém gosta de ouvir falar mal de seu pai ou mãe, por pior que         ele possa ser. Remete a um sentimento de menos valia, pois é         fruto de algo ruim.
     
     E muito menos dificultar o contato dos filhos com o outro         genitor. Isso só reforçaria a idéia de abandono.
     
     Um fator interessante em situações assim é o casal estar         disponível para responder as dúvidas dos filhos e estimular para         que o façam. Sempre respeitando as pessoas envolvidas.
     
     Os filhos não devem carregar a carga de um casamento ou de uma         separação. Os pais devem ser maduros o suficiente para se         separarem com dignidade, assumindo seus erros, acertos e escolhas.


todo do texto: http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL1058559-5604,00-OPINIAO+FILHOS+DE+PAIS+IMATUROS+CARREGAM+A+CARGA+DA+SEPARACAO.html

Offline Brandy

  • Full Member
  • ***
  • Posts: 112
Re: É importante esclarecer os motivos da separação.
« Reply #1 on: April 16, 2009, 08:56:11 PM »
Otimo post,Sandra!
Lembrando que a psicologa que entrevistou Sean foi indicada por Joao Paulo Lins e Silva.
 
Vou copiar alguns trechos da carta de Ricardo Zamariola sobre a separaçao de David e Bruna
 quanto a total falta de apoio da familia brasileira a qualquer contato entre pai e filho.
O que fica evidente que eles nao se preocupam com o *Bem estar de Sean*
1- As declaraçoes de Bruna sobre David como pai:
Bruna: Eu realmente te acho um rapaz excelente. Você é um pai maravilhoso e... Eu não conseguiria ter ninguém melhor. E fico feliz de termos um filho juntos, muito feliz de você ser o pai dele..."
Noutra passagem da conversa, Bruna queixa-se de que o marido não lhe dava a atenção desejada por ela. E por qual razão? Bruna acusa David de ter olhos apenas para Sean, esquecendo-se por completo que o pequeno também tinha uma mãe. Que ironia, considerando-se que, agora, este pai é acusado de desamor para com o filho...
Noutra ocasião, Bruna, já no Brasil, encaminhou mensagem eletrônica a uma de suas amigas, afirmando, mais uma vez expressamente, que "David é um grande cara e eu não me arrependo de nenhum minuto, mas nossa história de amor estava acabada... Sinto muito por David por causa do Sean...".
 A mensagem consta dos autos dos processos judiciais no Brasil e nos Estados Unidos.
--------------------
Bruna, muito embora jamais tendo viajado aos EUA para depor, também apresentou declaração escrita, assinada e juramentada à Corte Superior de Nova Jérsei. Nesta declaração, também não formula qualquer espécie de acusação contra o pai da criança.
Muito ao contrário.
Mais uma vez ironicamente, uma das queixas de Bruna ao tribunal de Nova Jérsei era a de que David estaria construindo com Sean uma relação de "best buddies" ("melhores amigos"), enquanto que ela, Bruna, entendia que este não seria o tipo ideal de relação entre pai e filho. Trata-se, aqui, de mais um fato comprovado. Esta declaração, escrita, assinada e juramentada por Bruna, consta dos processos judiciais, tanto no Brasil, quanto nos Estados Unidos.
 
---------------------------
2- As tentativas de contato:
Houve propostas para visitação em um terceiro país, num ambiente neutro. Houve propostas para visitação no Brasil. Qualquer acordo sempre foi condicionado a que o Sr. Goldman abrisse mão de continuar perseguindo o retorno do filho. Isto, quando a família simplesmente não rejeitava as iniciativas do pai, sem qualquer resposta, educada ou mal-educada, consistente ou inconsistente.
 
O avô materno de Sean, depondo perante o Tribunal em Nova Jérsei, afirmou expressamente, com frieza assustadora, que seu advogado lhe alertara para o fato de que ele não era obrigado a falar com alguém que o estava processando. Disse o avô, então, que, a partir dali, todas as vezes que ouvia a voz do Sr. Goldman ao telefone, desligava imediatamente.
--------
Laudo da Justiça Estadual do Rio de Janeiro, realizado em dezembro de 2005, afirma o seguinte sobre Sean e seu pai: "...percebe-se que Sean demonstra interesse em estar com o Sr. David, referindo-se ao mesmo de forma bastante positiva...". Este documento também consta dos autos dos processos judiciais.
----------------------

Tão logo soube da morte de Bruna, o pai de Sean entrou em contato com a família materna, novamente propondo acordo. Abriu as portas de sua casa, para que Sean retornasse em companhia dos avós e até de seu padrasto. Ofereceu um período de transição, durante o qual o contato entre pai e filho se faria no Brasil, com vistas à posterior viagem de retorno aos Estados Unidos.
Tudo recusado pela família materna, que impedia até mesmo um contato, mínimo que fosse, entre pai e filho. Aliás, a família materna omitiu do Sr. David Goldman o falecimento da mãe de seu filho. David soube da tragédia por jornais brasileiros. A família omitiu até do Judiciário a morte da mãe de Sean, apresentando petição ao Supremo Tribunal Federal poucos dias depois, sem fazer menção ao fato, como se nada tivesse acontecido.

Carta de Zamariola:
http://bringseanhome.org/rz1p.html
-------------------------

Depois de 4 anos e meio,David consegue direito de visita e Sean nao o rejeita no primeiro encontro.
Pede ao pai um abraço com *maximum force * e mais um: Maximum force e mais um Maximum force.

A familia brasileira que deveria ajudar Sean agora que recem perdeu sua mae, merece e precisa da companhia do pai,  exigem a presença de psicologos que mudam a cada visita para *acompanhar* (leia-se perseguir) pai e filho dentro do condominio numa  intimidaçao vergonhosa.
Segue dois videos (em ingles):

primeira visita e tudo bem
http://www.youtube.com:80/watch?v=4W5VfT4qMYw&feature=PlayList&p=02D440EB7BD01033&index=1

Visitas dificeis:

http://today.msnbc.msn.com/id/26184891/#29220910
------------------